Carol Afreekana e o dub poetry » DETTONA
19987321_1464521866940665_483990522_n
Colunas Especiais

Salve, Dettona! Voltamos mais uma vez, e nessa ocasião falaremos um pouco do trabalho de uma mana profundamente inserida nessa rica cultura sound system e reggae, e que merece destaque em relação ao trampo que vem desenvolvendo. Queremos apresentar a vocês o álbum Seso Wo Suban da dub poetisa Carol Afreekana. Confere aí!

Um pouco mais sobre Carol Afreekana

19964730_1463670677025784_940640629_n

Caroline Arruda aka Carol Afreekana desde pequena trazia consigo o sonho de cantar, mas por conta da sua timidez este sonho foi bloqueado em diversos momentos de sua vida. Na adolescência, Carol passou a cantar na igreja da qual fazia parte. À medida em que foi crescendo, amadurecendo e entendendo a forma de vivência Rastafari, partiu para outros rumos.

Focada nos cânticos nyahbinghi e em escritura sagrada, ela iniciou seu trabalho como poetisa e autora do blog Mundo Africano, onde compartilha seus textos cheios de conexão interior e exterior, com o mundo do feminino sagrado e ancestral. Inspirada por mulheres africanas e jamaicanas como Aisha, Daba Makourejah, Ranking Ann, Dezarie, Empress Cherisse, atualmente está buscando desenvolver seu trabalho como forma de luta e militância pelo movimento negro e Rastafari. Carol se baseia no lado mais espiritual e teocrático do movimento como inspiração em suas obras de dub poetry.

O que é dub poetry?

Dub poetry surgiu na Jamaica durante o início da década de 1970, influenciado pelo Dub. Ao contrário de deejaying (também conhecido como toasting), onde se improvisa sobre os riddims, o dub poetry é desenvolvido com preparo anterior e ensaios. A musicalidade é construída com base na poesia. Geralmente é executado primeiramente sem música de apoio, desenvolvendo um discurso cantado com acentuação rítmica pronunciada e estilização dramática de gesto. Os poemas abrangem vários temas, incluindo protestos contra o racismo e temas religiosos como rastafari.

Seso Wo Suban

O EP Seso Wo Suban, primeiro álbum da mana Afreekana, nasceu de um convite do produtor Guux (Gustavo Braga – Jah Tallawah), depois de conferir uma sessão e ter ouvido a cantora recitar algumas de suas poesias em versões instrumentais de reggae.

“Reuni neste trabalho, depois de um tempo de estudo sobre dub poetry, algumas das poesias que transformaram e diariamente têm esse poder de mudar e fortalecer a minha vida, por isso o trabalho leva o nome do adinkra que significa Transformação de Vida (Seso Wo Suban), visando e priorizando levar a auto-estima à mulher, especialmente preta. Algumas poesias também são a exaltação feminina e ao sagrado feminino, aos segredos de oração (cultura Rastafari), crescimento espiritual e fortalecimento acerca de honra aos ancestrais”, conta Carol.

O trabalho ficou simplesmente incrível. Você pode ouvir agora mesmo no Spotify.

 

Por: - 2 semanas atrás

comentários

  • Andrea Soriano

    <3