Sista Habesha, um dos destaques da atual produção musical na Europa » DETTONA
Entrevista Especiais Música

Apesar do espaço ser ainda longe do ideal quando o assunto é a mulher no cenário de sistemas de som, temos felizmente um cenário em crescimento em relação às cantoras, mcs e seletoras/DJs. Porém, esse mesmo espaço ainda está sendo conquistado a duras penas na produção musical, que é um terreno extremamente fértil mas que ainda é quase que totalmente ocupado pelos homens, sobretudo no reggae/dub.

Um dos nomes da produção musical que mais vêm crescendo na cena UK é a italiana Sista Habesha. Além de produzir, ela também faz seleções cheias de energia e mensagens conscientes. Conversamos com ela, que é realmente uma pessoa iluminada e cheia de boas vibes como suas músicas. Confere aqui um pouquinho da caminhada dessa mana e saiba mais sobre o seu próximo lançamento em vinil, que rola em 26 de setembro.

Feminine Hi Fi: conta pra gente um pouco sobre sua história, quem é Habesha, como você começou a selecionar e produzir?

Habesha: Comecei a produzir dub em torno de 2008, enquanto vivia em Londres. Diferente de ​​outros produtores comecei a produzir primeiro e a selecionar mais tarde. Como eu costumava tocar piano, caminhando no caminho RasTafari e ouvindo dub produzido na UK, me senti muito familiarizada com a criação de minhas próprias faixas digitais, e comecei a fazer isso conectando um teclado midi a um software de música. O resto veio por si mesmo, riddim após o riddim, e minhas produções definiriam cada vez mais o estilo steppa melodioso e militante, que hoje é amplificado e ecoa nos meus sets de DJ e meu novo selo Habeshites.

FHF: No dia 26 de setembro você lança em vinil o single INI SHEPHERD. Como foi o processo criativo deste riddim e o que podemos esperar desse novo som lançado pelo seu selo Habeshites?

H: O primeiro lançamento do Habeshites apresenta um dos meus riddims, com Arkaingelle e Prince David (Moa Anbessa) nos vocais. Acredito que o processo criativo deste riddim começou em 2015, quando conheci o Inner Standing Sound da Califórnia no Festival UNOD (Reino Unido) e ganhei um pack de acappellas que eu poderia remixar. Todos eram bons vocais e eu estava entusiasmada com alguns deles, mas, por algum motivo, o primeiro que escolhi foi o de Arkaingelle, de uma música lançada no selo “Zion I Kings” em 2014. Construí um riddim completamente novo para esta bela música, dando-lhe a vibração de um steppa. Carreguei o vocal no software, me sintonizei nas palavras e criei uma paisagem sonora para a letra significativa que eu escolhi. Então levei as faixas para o estúdio Moa Anbessa e o produtor Buriman mixou e começou tocar nas festas da Europa.

A música foi imediatamente amada pelas pessoas. E durante um dos sets de Moa Anbessa, em Veneza, Buri tocou a versão Arkaingelle e o instrumental depois, Prince David estava no microfone e, do nada, ele apenas começou a cantar “The Lord is InI Shepherd…” . Ele tinha acabado de escrever essas letras e ainda não tinha tido a chance de pensar no riddim. Eu estava absolutamente animada com o que acabara de ouvir e imediatamente pedi para gravá-lo, e ele concordou. Então Prince David gravou seu vocal, Buri o mixou e, depois disso, as músicas passaram de mão em mão. Aba Shanti (um dos maiores produtores e operadores de sound system da UK) fez suas próprias mixagens e também começou a tocar em suas apresentações. Buri e eu mesma também tocamos em nossas apresentações, e essas músicas sempre foram muito apreciadas pelo público.

Dou graças pela força, apoio e encorajamento recebido e estou muito feliz por poder entregar essas músicas às pessoas que aguardaram esse lançamento com muito carinho.

FHF: Qual mensagem você enviaria para as mulheres que são inspiradas por você e também querem produzir e tocar/selecionar?

H: Para as irmãs que querem selecionar e produzir, eu digo: evite se concentrar no que você não pode fazer, sempre haverá algo, concentre-se em vez do que você pode fazer e sempre em como melhorar. A vida é um processo de aprendizagem em tudo o que fazemos… Sendo humanos, todos os dias aprendemos a sermos nós, o mundo muda todos os dias, o mundo muda e nos adaptamos inconscientemente, assim como a música e a tecnologia. Portanto, não tenha medo, ou melhor ainda, como Jah9 diz: BE UNAFRAID, sem medo de tentar, falhar, tentar novamente e mais do que qualquer coisa esteja totalmente sem medo de ser você mesma, em primeiro lugar. Não se trata de ser uma produtora mulher, sim de produzir música, ou cantar, ou seletar, é estar presente e expressar o que sente, homem ou mulher, é preciso de amor, paixão, tempo, compromisso e sacrifícios. Então, irmãs FORWARD, na casa do Pai há muitas mansões pra todas nós!

 

Foto da capa: Lucas Strazzeri

Por: - 4 semanas atrás

comentários