Crítica sobre o "certo" e o "errado"! Porém, construtiva. » DETTONA
Colunas Especiais Música

Há um quesito contestado por todos o tempo inteiro sobre o “certo” e o “errado” diante da produção musical que muito me intriga.

A música como arte se dá através de técnica, habilidade, capacidade de expressão, comunicação, leitura, releitura, manifestação e inúmeros outros elementos.

Dentro desse contexto a dúvida recorrente é: Qual caminho devo seguir diante da arte que quero fazer? E a resposta: pesquise, estude e tenha discernimento.

A pesquisa é fundamental, questionamentos são necessários e respeite seus próprios métodos, pois muitas pesquisas/respostas dirão o “certo” e “errado” sobre o uso de qual programa/software.

Sabendo que não existe regra, devemos aprender sobre tudo a nossa volta e tudo que é solicitado. Muitos produtores e DJs insistem em dizer o que devemos usar para produzir/discotecar, como devemos fazer, etc.

****deixarei uma nota bem clara sobre essas opiniões****
– Qual o intuito de dizer que o programa “X” é melhor que “Y”? Ouvir isso de “amigos” e “educadores” soa limitante e agressivo.

Existem diversos programas/softwares, cada qual com suas funções, qualidades e bugs. Não tem como dizer “use Logic Pro” pra quem não usa Mac, sendo que você é livre pra buscar softwares que se encaixam na sua necessidade. E, não tem como falar pra não usar o “Logic Pro”, sendo que é um software feito para o Mac.

Cada software é feito de maneira diferente, e cada um é exatamente feito para nós! E como isso? Veja os seus requisitos.

O que quer para produzir música eletrônica? Software mais leve? Qual layout te chama mais atenção? Teste e pesquise todos. Busque todos os tipos de informações.  A música eletrônica veio simplesmente do ruído, do nascer das máquinas, das criações feita por nós, seres humanos, juntamente com a natureza à nossa volta (e com os memes remix).

Como indicação final, na parte I de uma série de textos nos quais falarei sobre educação+eletrônica, deixo esta frase de um livro extraordinário contextualizando o começo (ou não) da música eletrônica.

“É preciso romper este círculo estreito de sons puros e conquistar a
variedade infinita dos “sons-ruídos”. 

A Arte dos Ruídos – Luigi Russolo

 

 

Sijeh é o alterego livre de Letícia Martinez, que transita no cenário de música eletrônica desde os 15 anos. Produtora musical e DJ, atua no duo Yung Braza e como residente no coletivo Bandida.

Por: - 3 meses atrás

comentários