Música Archives - DETTONA » DETTONA
Especiais Música

Salve, família Dettona! Trazemos hoje três grandes mulheres do reggae contemporâneo que você precisa conhecer e ouvir. Confere só:

Jah 9

Talvez o maior nome feminino do reggae na atualidade, a cantora Jah 9 é jamaicana, e reflete no seu canto sua profunda ligação com o sagrado feminino e a espiritualidade. Adepta da religião rastafari, sua voz poderosa e forte emana mensagens conscientes. A vida da cantora é permeada pelas atuações sociais. Em 2015, enquanto esteve em turnê na Itália e em Malta, Jah 9 conviveu com refugiados africanos compartilhando com eles uma visão sobre o novo ambiente que eles enfrentariam, o bem-estar natural e a ioga / respiração como terapia de cura.

Saiba mais clicando aqui!

Queen Omega

Nascida em Trinidad, iniciou na música aos 9 anos de idade. Teve sua carreira musical encorajada pela mãe, e desde jovem participou de shows de grandes nomes do reggae, como Luciano, Glen Washington e Bushman, entre outros. Sua primeira viagem à Jamaica aconteceu no ano 2000, e desde então tudo mudou para a cantora, que abraçou a religião rastafari. Seu caminho espiritual refletiu em seu trabalho, com letras profundamente conscientes.  

Saiba mais clicando aqui!

 

Hempress Sativa

Filha do lendário baterista e seletor Albert “Ilawi Malawi”Johnson, a jovem Hempress Sativa teve seus primeiros contatos com a música ainda bem criança, por volta dos 4 anos, por meio da coleção de discos de reggae do seu pai e da influência rastafari de sua mãe. Sua primeira apresentação foi aos 13 anos de idade, e desde então a artista cravou definitivamente seu nome no reggae. É forte militante a favor da descriminalização da cannabis.

Saiba mais clicando aqui!

Por: - 2 semanas atrás
Especiais Música

Gratidão, empatia e avanço são práticas que todos deveríamos seguir constantemente desde a infância. São palavras e condutas que ao adotarmos proporcionam qualidade de vida e bons frutos! Digo por experiência própria!

Há oito meses atuo como produtora cultural/executiva/correriatotal na Bandida.

Movidas pelas palavras-chave citadas acima, em 8 meses conquistamos 1k+ likes orgânicos na page, 500+ followers no instagram, realizamos 7 festas bem lindas, dentre elas algumas edições gratuitas/0800/narua/pra todos, fizemos parcerias com outras festas, tivemos atração gringa, chamamos 8 artistas entre MCs, DJs e fotógrafos, integramos lineups de eventos muito representativos dentro de seus cenários, atualmente, alimentamos junto com a Feminine Hifi esta coluna semanal na Dettona, iniciamos um projeto para abordar disseminação de sonoridades periféricas e participamos ativamente do núcleo da Casa Judith, um espaço de resistência artística com foco em “minorias”.

Além desses feitos, as conquistas pessoais vão além. Ao longo desse processo, conhecemos inúmeras pessoas maravilhosas e o que aprendemos, apenas a instituição da vida ensina!

Como a firma não para e só tem melhoria por vir, aproveito o espaço para anunciar duas realizações fresquinhas:

Estamos no spotify e já está no ar a primeira playlist pela nossa querida Sijeh no maior mood “Sarra e Chora”:

E no próximo dia 15.09,  vamos celebrar junto com as gatas da animalia a parceria que firmamos com o RETETE. Para esta edição, juntamos a exturdia para fazer aquele fervo neurótico conceitual na Casa da Luz: confira aqui!

Esses marcos ficam gravados porque revelam a força da nossa mensagem chegando cada vez a mais espaços, compartilhados com mais pessoas interessadas em fazer despertar a verdadeira essência. Essas pequenas grandes realizações que me movem, me fazem acreditar que dá pra fazer e que fica maravilhoso quando feito com vontade!

E você? O que te move?

 

Jéssica Paulinne é publicitária por formação, vegetariana e feminista pela vida, produtora cultural na prática (e com muito amor) dentro do coletivo Bandida.

Por: - 2 semanas atrás
Música

get out molecada

Funk significa cheiro forte de tabaco ou “forte agitação, distúrbio” (pode verificar, eu procurei mesmo). Na cultura dos EUA, Funk também é um movimento de dança, música e cultura, que evoluiu para diversas outras categorias mais específicas de músicas, como o G-Funk e o Funk Carioca (ou Baile Funk).

Não vou discutir as origens do Funk Carioca (que aqui vou adotar o nome mais contemporâneo de “Baile Funk”), mas ninguém pode negar que é um gênero polêmico. Por vezes sério, realista e agressivo, por vezes leve e engraçado, o Baile Funk se tornou mais forte do que nunca, ocupando cada vez mais espaço nas velhas (rádios, TV) e novas (Spotify) mídias. Como todo bom gênero musical, já foi modificado, adaptado, interpretado e estudado, principalmente pelos Norte-Americanos, os quais adotaram seus elementos em tracks da vertente eletro-hip-hop, o new-trap (termo que inventei agora mesmo). Artistas como Major Lazer e Sango ja fizeram mágica dando nova vida ao gênero la fora.

Já aqui no Brasil há alguns artistas bem estabelecidos na cena, como Sants, ViníJLZ, DKVPZ e o duo Yung Braza, que acabou de lançar um novo EP, entitulado “Get Out Molecada (pelo selo Boxed Records). São 4 faixas que te dão socos e até tiros (audivelmente literalmente), dobram de bpm, utilizam instrumentação não-ortodoxa e fazem você sentir no peito aquele grave que faz seu vizinho bater com a vassoura na parede.

Leia Mais

Por: - 2 semanas atrás
Música

Marco Aurélio vulgo Serpente Tigre criou um remix que a gente não para ouvir desde o dia que a gente recebeu a música pra gente lançar oficialmente.

A música é o hit “Mi Gente”, música colombiana cantada por J.Balvin e Willy William com quase 700 milhões de visualizações no YouTube, o Tigre pegou percussão, bateria um juntado de cumbia (que é a música tipica da Colômbia), aquele drop bregadeira do nordeste que a gente ama. Tudo feito pelo programa Garage Band, da Apple.

O mais legal que achamos do remix, é que a voz não foi mexida, de inicio parece que a música é slow, mas a mistura de ritmos no ponto certo que o produtor usou, foi feita para cantar e dança, você estando na balada, no carro ou no metrô.

Vem ouvir:

Capa feita pelo Henrique Hirano

Por: - 3 semanas atrás
Música

Contando com faixas de Sam Gellaitry e metade do DKVPZ (o Theusplayer), Dualib fez a curadoria (e a capa!) dessa edição da Essential Sounds Sessions! Dá aquele play:

 

 

Por: - 4 semanas atrás